11 de jul de 2010

Uma quase história de amor (pt.final)


- Você preferiu acreditar nele.

Ela tentou argumentar falando que era ciumenta, insegura, mas isso só piorou e ele disse uma coisa que nunca ela pode entender:

- Você sabia que não ia dar certo desde o começo.

Depois de dizer isso, ele foi embora, ela ficou uns minutos parada pensando como podia ser tão idiota. Desde esse dia, ninguém mais via o seu sorriso, a sua alegria, só sentia a tristeza nos seus olhos dela. Ela não entendia como ele pode dizer que ela sabia que não ia dar certo desde o começo, se você relembrar o começo da história quem falo pra todo mundo que estavam namorando foi ele e não ela, e isso a castigava. Mas vamos analisar os fatos: sim, ela errou muito em acreditar em outra pessoa, não pensar nele, mas ele não quis ver o lado dela, eles já não estavam tão juntos como antes, porque não acreditar no melhor amigo dele que vive, convive e conhece-o. Ela se castigava, se culpava e sofria, talvez como nunca tinha sofrido, pois não tinha mais o sorriso no rosto que sempre tinha mesmo triste, ele não se sabe, verdadeiramente, se sofria. O sofrimento dela e talvez o dele, era mostrado por subnicks de MSN, eram frases que respondiam a do outro. Alguns dias depois, ele veio falar com ela, ela não tinha cara pra estampar o enorme sorriso que ela tinha naquele momento, talvez ele tivesse a perdoado, mas ninguém sabia, ficaram juntos mais alguns dias, se afastaram de novo e não voltaram mais. Ela ainda tenta entender o que aconteceu pra ele mudar tanto, no começo parecia tão apaixonado e depois... , ela analisa cada coisa que fez, que disse, e se culpa por ser insegura, ciumenta, nervosa, impulsiva, por ser idiota em acreditar no que dizem, se culpa por tudo. Ela poderia esquecê-lo como fez com todos os outros, mas não quer, pois ele a fazia tão bem e tão feliz, e ela não tem um bom motivo pra esquecer. Eles não se falam mais, mas ainda se vêem por acaso na escola, ou na própria rua dele. Ela pede em orações todas as noites proteção a ele, para que os subnicks que ele escreve sejam pra ela e pra que ele saiba que sempre vai ter o amor dela. Espero que esse não seja o fim da história, e que a continuação seja tudo que ela deseja.


talvez, o fim.

4 comentários:

Anônimo disse...

aaah Bia,apesar de triste mt linda essa história,torço mt pra que o final seja o que a protagonista mais deseja

Rodrigo disse...

Que triste =/
Talvez se ele descobrisse o valor que ela tem, ele voltaria correndo pros braços dela.
Eu só acho que ela não deveria se culpar tanto, mesmo ela tendo se precipitado dessa forma.
Mas também tem um porém: ninguém precisa de alguém pra ser feliz, a felicidade é a gente mesmo quem faz.
Ela deveria esperar um pouco antes de tentar fazer qualquer coisa. Se ele gostar mesmo dela, ele vai fazer alguma coisa pra tentar mudar os fatos. Caso contrário, acho que não vale a pena sofrer assim. Mas quem vai poder dizer isso é o tempo.
Eu não quero que a história termine assim. Mesmo que os dois não fiquem juntos no final. Tomara que cada um seja muito feliz *-*

Yeruska Thobila disse...

Bia,
E este "amigo" da pessoa que "ela" namorava, foi questionado sobre o porquê dele ter inventado mentiras? Pq a unica explicação que percebo é que o tal amigo (da onça) deve estar afim "dela".
Enfim... É natural a gente se enganar...Eu concordo com a personagem da historia. Se eu tivesse ouvido que meu namorado estava ficando com outra da boca do melhor amigo dele, eu ficaria encucada também... Acho apenas que ela deveria ter questionado o namorado diretamente, em vez de tentar se vingar (ou fazer justiça) e ficar com outros.
Mas, o que foi já foi... E ja ficou claro, pela historia, que a personagem se arrependeu..Então, bola pra frente. Enquanto ela ficar remoendo a historia e seus erros, ela nao vai esquece-lo. E ele provavelmente não irá valoriza-la.
E, sinceramente, eu acho que o maior errado (se é que existe erro) foi dele. "Quem não dá assistência, abre concorrência e perde a preferência"...hehe...
Beijim ^^

laninha disse...

Bia amei a história..
Embora tenha um final não tão belo,mas fazer o que...Era-se o tempo do p Sempre...
Hehe...
Mais pode-se mudar quem sabe...
beijo

Postar um comentário